Skip to main content

Search

Saúde Mental

Saúde mental: por que pessoas com psoríase devem se cuidar?

Sempre foi importante cuidar para os sintomas além da pele, mas com a pandemia da COVID-19 essa atenção precisa ser redobrada

 

Nas últimas décadas, diversos estudos mostram o impacto das doenças de pele na qualidade de vida dos pacientes. Já se sabe, por exemplo, que pessoas com psoríase e artrite psoriásica apresentam comprometimento físico e emocional comparável à doença cardíaca, câncer ou diabetes. Além disso, elas apresentam um maior índice de depressão e consumo de álcool e drogas, o que impacta diretamente sua autoestima e relações sociais[1].

Um grupo de pesquisadores da Umea University, na Suécia, mostrou que as lesões de pele têm um impacto importante na saúde mental das pessoas com psoríase. Além disso, a presença de alguma comorbidade aumenta o risco de surgimento de doença psiquiátrica³, uma vez que os pacientes com psoríase têm frequentemente outras doenças físicas que podem acarretar em depressão, ansiedade e suicídio. 

As lesões de pele têm alto impacto na saúde mental das pessoas com psoríase. É preciso cuidar do corpo e da mente.

 

Cuidados na pandemia

Questões ligadas à saúde mental ficaram ainda mais evidentes na pandemia de COVID-19, devido ao isolamento social, mudança de hábitos familiares e trabalho remoto. Mas é preciso se cuidar, dar atenção ao corpo e à mente, e ficar atento aos sintomas invisíveis, como ansiedade, tristeza e angústia. 

“Pessoas com psoríase ou artrite psoriásica fazem acompanhamento periódico com os dermatologistas ou reumatologistas. E o ideal é que elas também tenham a oportunidade de realizar  atendimento psicológico para poder compartilhar com um profissional especializado suas ansiedades, medos e preocupações”, reforça Dr. Rafael Tomaz, dermatologista e gerente médico da Janssen.

 


[1] AMA Dermatology. Association of Skin Psoriasis and Somatic Comorbidity With the Development of Psychiatric Illness in a Nationwide Swedish Study. 2020.

https://jamanetwork.com/journals/jamadermatology/article-abstract/2766771