Skip to main content

Search

#SigaSemPausa

#SigaSemPausa
Tratar as DIIs é possível. Seguir seus sonhos, também.

As atividades rotineiras, como trabalhar e estudar, tornam-se mais difíceis. Os compromissos mais simples, como um encontro com amigos, passam a ser cancelados. Sonhos, como uma viagem ou um show, precisam ser adiados. O cardápio muda e alimentos de que gosta são deixados de lado e, ainda assim, o dia a dia passa a ser difícil de ser encarado: há dor, incômodos, cansaço extremo, a sensação constante de ser “refém” do banheiro e um longo percurso até descobrir qual é o diagnóstico e receber o tratamento correto.

Essa “pausa” na vida é a realidade de muitos pacientes que sofrem com as doenças inflamatórias intestinais (DIIs), enfermidades crônicas e incuráveis, que atrapalham a vida de 78% dos pacientes, de acordo com a pesquisa Jornada do Paciente com Doença Inflamatória Intestinal, desenvolvida pela Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn (ABCD)¹, que ouviu três mil pacientes.

Além da dificuldade de lidar com os sintomas, o paciente também demora para receber o diagnóstico correto, uma vez que as DIIs podem ser confundidas com outras doenças, levando a uma peregrinação a clínicas, hospitais e laboratórios até que o médico responsável descubra a extensão da doença e sua localização no trato gastrointestinal para então prescrever as terapias mais eficazes.

 

 

TIPOS DE DII

Descobrir qual é o tipo de DII ajuda a encontrar o tratamento correto e compreender as necessidades do paciente para que ele possa retomar a sua vida.

A retocolite ulcerativa (RCU) e a doença de Crohn (DC) são diferentes. A DC pode se manifestar desde a boca até o ânus, alcançando todas as camadas do trato digestivo, podendo evoluir, nos casos mais graves, para perfuração e estreitamento no intestino. A RCU se limita ao reto e ao intestino grosso, atingindo principalmente a mucosa dessas duas regiões.

SINTOMAS E IMPACTOS

Muitos pacientes se queixam de como os sintomas das DII afetam suas vidas. As crises são fortes e, muitas vezes, debilitantes. No entanto elas podem ser tratadas.
Os sintomas das DIIs incluem:
- diarreia, que pode ter a presença de sangue ou muco;
- constipação;
- sensação de inchaço abdominal;
- urgência e dor ao defecar;
- febre;
- fadiga ou exaustão.

25% a 40% dos casos podem apresentar manifestações da DII em outros órgãos, como olhos, boca, pele e articulações³.
A pessoa também pode apresentar emagrecimento, falta de apetite, queda de cabelos e problemas de nutrição devido às lesões causadas pela doença.
A pesquisa Jornada do Paciente com Doença Inflamatória Intestinal apontou que:
- 78% dos pacientes têm as suas vidas afetadas pelas DII;
- 63% dizem que sentem fadiga e cansaço mesmo durante o processo de remissão das crises;
- 41% levam quase um ano para ter o diagnóstico correto da enfermidade.

JORNADA DO PACIENTE

Ainda são poucos os números sobre as DIIs no Brasil e no mundo, mas sabe-se que os casos vêm aumentando. O diagnóstico correto é a chave para a compreensão da doença.

De acordo com a ABCD¹, os pacientes com diagnóstico de DIIs vêm aumentando no Brasil e no mundo, principalmente em regiões mais desenvolvidas e industrializadas. Por aqui, os índices aumentaram de 1,86 para 3,09 pessoas a cada 100 mil habitantes no período de 2012 a 2015.

Homens e mulheres são afetados em proporções semelhantes4, sendo a DC presente mais nas mulheres. A faixa etária pode variar entre 15 e 30 anos, com um segundo pico a partir dos 60 a 80 anos, aproximadamente4.

Os pacientes levam, em média, um ano para receber o diagnóstico correto da doença, principalmente pelo número de atendimentos de emergência, quase sempre confundida com alguma outra pela falta de informações ou pela dificuldade de encontrar um especialista que possa interpretar o seu histórico de maneira correta.

TRATAMENTO

Não existe apenas um caminho, mas a ciência avançou em direção a novas possibilidades para controlar as crises e devolver a qualidade de vida aos pacientes.

O tratamento vai depender do histórico de cada paciente, principalmente levando em consideração o grau dos sintomas, a localização e a gravidade das crises. Entre as alternativas terapêuticas conhecidas estão os aminossalicilatos, os corticoides, os imunomoduladores, os antibióticos e os medicamentos biológicos, sendo que, nessa última classe, há três mecanismos de ação diferentes – anti-TNF, anti-integrina e anti-interleucinas 12 e 23.

Atualmente, os tratamentos biológicos são considerados mais inovadores para controlar e diminuir os sintomas da doença de maneira rápida, colaborando para a cicatrização da mucosa do intestino e mantendo a resposta por um período de tempo prolongado.

Esse tipo de medicamento vem sendo mais indicado para os casos quadros moderados e graves das DII e já se avalia seu uso em casos iniciais.

A decisão sobre a melhor alternativa de tratamento é sempre de responsabilidade do médico que acompanha cada paciente, por isso é fundamental buscar um gastroenterologista ao apresentar os sintomas descritos para obter diagnóstico e indicação de tratamento adequado. 

 

 

CLIQUE AQUI para baixar uma cartilha informativa sobre as DIIs. Conhece alguém que convive com a doença de crohn ou com a retocolite ulcerativa? Compartilhe esse conteúdo e contribua para que cada vez mais pessoas possam #SeguirSemPausa!

 

Referências:

¹ A Jornada do Paciente com Doença Inflamatória Intestinal. Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn (ABCD).  https://abcd.org.br/wp-content/uploads/2017/12/JORNADA_DO_PACIENTE_PRINCIPAIS_RESULTADOS.pdf?
² Grupo de Estudos em Doenças Inflamatórias Intestinais do Brasil (GEDIIB) do DATASUS. http://formsus.datasus.gov.br/novoimgarq/49193/10474883_312361.pdf

³ Diagnosticando e Monitorando a DII. Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn (ABCD).  https://abcd.org.br/wp-content/uploads/2019/07/ABCD_cartilha_diagnosticando.pdf

4 CAMBUI, Yan Robert Santos e NATALI, Maria Raquel Marçal. Doenças Inflamatórias Intestinais: Revisão Narrativa da Literatura, 2015. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/RFCMS/article/viewFile/20378/17607. Acessado em 29 de abril de 2020.